FOLHA DA CIDADE 22 ANOS INFORMANDO DE FORMA DIRETA...

VENHA ECONOMIZAR COM A GENTE

VENHA ECONOMIZAR COM A GENTE

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

DIFERENÇA ENTRE BOLSONARO E HADDAD PERMANECE EM 6% APONTA NOVA PESQUISA IBOPE



 A pesquisa IBOPE divulgada ontem (quarta-feira) ouviu 2 mil eleitores em 126 municípios brasileiros, entre os dias 22, 23 e 24 de setembro e apontou que a diferença entre os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) no primeiro turno permanece em 6 pontos percentuais.
 Com uma margem de erros de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, o candidato do Partido Social Liberal aparece com 27% das intenções de votos e é seguido pelo Petista que tem 21%. O candidato Ciro Gomes (PDT) ocupa a terceira posição com 12% das citações e está tecnicamente empatado no limite da margem de erros com Geraldo Alckmin (PSDB) que tem 8%.
 Marina Silva (Rede) está tecnicamente empatada com Geraldo Alckmin. Ela tem 6 pontos percentuais e também está tecnicamente empatada com João Amoêdo (Novo) que tem 3% e no limite da marmem de erros com Alvaro Dias (Podemos) e Henrique Meirelles (MDB) que têm 2% cada.
 Amoêdo, Alvaro e Meirelles estão tecnicamente empatados com Guilherme Boulos (PSOL) que tem 1%. Cabo Daciolo (Patriota), Vera Lúcia (PSTU), João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não pontuaram.
 Os que demonstraram interesse de votar Branco/nulo representam 11% e os que Não souberam/não responderam 7%.
 O levantamento foi encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erros.
Evolução de votos – Comparando o números da pesquisa divulgada nesta quarta-feira e a divulgada na segunda-feira (24), é possível perceber que Bolsonaro que na primeira tinha 28% aparece agora com um ponto a menos (27%). Fernando Haddad também oscilou negativamente um ponto percentual, antes tinha 22% e agora 21%.
 Já Ciro Gomes oscilou positivamente 1%, pois antes tinha 11% e agora aparece com 12%. Geraldo Alckmin se manteve com 8 pontos percentual e Marina Silva passou de 5% para 6%.
 Os Indecisos oscilaram de 6% para 7% e os brancos ou nulos de 12% para 11%. Todas as oscilações ocorreram dentro da margem de erro.
Rejeição - Os entrevistados responderam em qual candidato não votariam de jeito nenhum (nessa hipótese, o entrevistado pode responder mais de um nome; daí, a soma superar 100%). Os resultados foram: Jair Bolsonaro, com 44%; Fernando Haddad, 27%; Marina Silva, 27%; Geraldo Alckmin, 19%; Ciro Gomes, 16%; Cabo Daciolo, 11%; Henrique Meirelles, 11%; Eymael, 10%; Alvaro Dias, 9%; Guilherme Boulos, 9%; Vera Lúcia, 9%; João Amoêdo, 8%; João Goulart Filho, 7%. Os que disseram que poderiam votar em todos os candidatos somam 2% e Não sabe/não respondeu representam 7%.
Simulações de segundo turno – O IBOPE também fez simulações de segundo turno. Confira os resultados:
Voto útil - A pesquisa também mediu o chamado “voto útil”, questionando o entrevistado sobre a probabilidade de deixar de votar no candidato de sua preferência, para evitar que outro que não gosta vença.
 Do total de eleitores, 14% responderam que essa probabilidade é muito alta; outros 14% disseram que essa probabilidade é alta; 18% que é média; 21% que é baixa; 27% que é muito baixa e 6% dos entrevistados não souberam ou não responderam.
 Entre os eleitores de cada candidato, essa probabilidade é a seguinte:
Jair Bolsonaro: 10% muito alta; 12% alta; 17% média; 23% baixa; 35% muito baixa e 3% não sabe/não respondeu.
Fernando Haddad: 17% muito alta; 14% alta; 17% média; 22% baixa; 24% muito baixa e 6% não sabe/não respondeu.
Ciro Gomes: 21% muito alta; 14% alta; 19% média; 21% baixa; 20% muito baixa e 5% não sabe/não respondeu.
Geraldo Alckmin: 14% muito alta; 22% alta; 20% média; 20% baixa; 19% muito baixa e 5% não sabe/não respondeu.
Marina Silva: 8% muito alta; 20% alta; 23% média; 17% baixa; 27% muito baixa e 5% não sabe/não respondeu.
 A pergunta foi feita para todos os entrevistados, mas a CNI divulgou somente os percentuais dos eleitores de candidatos com mais de 5% das intenções de voto.
Convicção - A pesquisa questionou os eleitores entrevistados sobre a convicção na escolha dos candidatos em quem pretendem votar.
Do total de entrevistados, 43% responderam que trata-se de uma “decisão definitiva, que não mudará de jeito nenhum”; 18% disseram que é uma “decisão firme, mas que poderá mudar no decorrer da campanha”; 18% responderam que é uma “escolha do atual momento, que durante a campanha poderá mudar”; 17% disseram tratar-se de “apenas uma preferência inicial” e outros 5% não sabem ou não responderam.
Entre os eleitores de cada candidato, os percentuais são:
Jair Bolsonaro: 55% decisão definitiva; 17% decisão firme; 13% escolha do atual momento; 12% preferência inicial e 3% não sabe/não respondeu.
Fernando Haddad: 49% decisão definitiva; 17% decisão firme; 15% escolha do atual momento; 16% preferência inicial e 3% não sabe/não respondeu.
Ciro Gomes: 31% decisão definitiva; 20% decisão firme; 23% escolha do atual momento; 19% preferência inicial e 6% não sabe/não respondeu.
Geraldo Alckmin: 26% decisão definitiva; 20% decisão firme; 28% escolha do atual momento; 22% preferência inicial e 3% não sabe/não respondeu.
Marina Silva: 22% decisão definitiva; 23% decisão firme; 23% escolha do atual momento; 30% preferência inicial e 3% não sabe/não respondeu.
 A pergunta também foi feita para todos os entrevistados, mas a CNI divulgou somente os percentuais dos eleitores de candidatos com mais de 5% das intenções de voto.
Expectativa do resultado – A pesquisa perguntou a cada entrevistado quem ele acha que será o próximo presidente, independentemente de sua intenção de voto. Os resultados foram os seguintes: Jair Bolsonaro, 44%; Fernando Haddad, 20%; Ciro Gomes, 8%; Geraldo Alckmin, 7%; Marina Silva, 3%; Alvaro Dias, 1%; Henrique Meirelles, 1% e Não sabe/não respondeu, 16%.
 Os demais candidatos foram mencionados por menos de 1% dos entrevistados. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE): BR-04669/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário